3 dicas para escrever com uma linguagem mais acessível

3 dicas para escrever com uma linguagem mais acessível

Escrever com uma linguagem mais acessível, pensando em seu público-alvo, é essencial para conquistar a confiança e o engajamento dos seus leitores. E no mundo do Direito isso é ainda mais necessário.

Isso porque, hoje, ser profissional dessa área é estar constantemente envolvido com textos de leis, decisões, acórdãos e doutrinas. Um mundo repleto de linguagem formal e rebuscada – essencial para o Direito, pois, assim, busca-se garantir a interpretação mais adequada e justa das normas.

Mas quando se trata de produzir textos jurídicos com foco nos usuários da internet, é essencial deixar o “juridiquês” de lado e escrever textos com uma linguagem mais acessível ao público-alvo.

Veja a seguir três dicas práticas e comece a escrever com uma linguagem mais acessível seus conteúdos jurídicos.

3 dicas para escrever com uma linguagem mais acessível

1. Conheça seu público-alvo e fale como ele

É fundamental saber para quem o conteúdo será direcionado. Busque conhecer seus prováveis leitores por meio de pesquisas, conversas ou mesmo pela própria experiência adquirida no cotidiano do escritório de advocacia.

E ao criar seu texto, garanta que a linguagem utilizada faça parte do mundo do leitor, ou seja, que lhe seja acessível por já estar familiarizado com cada palavra e expressão utilizada em seu texto.

Não busque demonstrar conhecimento técnico utilizando palavras rebuscadas ou que sejam comuns apenas no universo jurídico. Elas podem confundir o leitor, causar mais dúvidas ou, ainda, fazê-lo perder o interesse pelo seu material.

Em vez disso, passe a conquistar a confiança e o engajamento de seus leitores ao garantir que eles, realmente, entenderam sua mensagem, por meio de uma linguagem mais acessível e de fácil compreensão.

2. Evite indicação de artigos e siglas

Outro vício de linguagem comum nos conteúdos jurídicos é a indicação de artigos e siglas jurídicas.

Se o texto não se trata de uma petição, fundamentação ou parecer jurídico, basta dizer ao leitor aquilo que a lei determina ou qual foi a interpretação de um órgão julgador, por exemplo, de forma direta e simplificada.

Salvo algumas exceções, seus leitores não precisam saber, por exemplo, que o direito a uma indenização cível é garantido pelo art. 186, conjugado com o art. 927 do CC. Da mesma forma, não é necessário citar que determinado posicionamento jurisprudencial foi firmado no Ag. Reg. do Rec. Extr. nº 1.234.567 do STF.

Melhor que fazer isso é focar seu texto no direito em si, transmitindo uma informação clara e direta, que seja bem compreendida e percebida como útil pelo seu leitor.

Escreva com uma Linguagem Mais Acessível

3. Não atraia os concorrentes

Quase uma consequência do vício de linguagem indicado no item anterior é a atração de outros advogados para o seu material que, a princípio, foi criado com foco em atingir possíveis clientes.

Quando o texto tem uma carga de fundamentação jurídica muito técnica, ele deixa de ser atrativo para os prospectos e passa a ser muito útil para outros advogados que estejam com alguma dúvida sobre aquele determinado tema.

Faça uma análise de quem está interagindo com seu conteúdo e, se forem outros advogados, repense a linguagem utilizada.

Afinal, se seu objetivo for alcançar novos clientes, seus textos precisam ter uma linguagem mais acessível e que atraia a atenção deles e não de outros colegas de profissão.

É claro que existem exceções, como escritórios de advocacia que pretendem firmar parcerias com outros escritórios ou, ainda, advogados que queiram se destacar como correspondentes jurídicos, por exemplo. Nesses casos, é vital atrair a atenção de outros colegas, mas isso nos remete à primeira dica deste texto.

Além dessas dicas práticas, existem muito mais técnicas infalíveis na hora de criar conteúdos bem elaborados, com uma linguagem mais acessível, capazes de cativar seus prospectos e aumentar a sua lista de futuros clientes.

Busque adquirir cada vez mais conhecimentos e, enquanto testa novas técnicas, sempre acompanhe o engajamento do seu público-alvo com seus materiais e avalie se seus objetivos estão sendo atingidos.

E, claro, continue acompanhando o nosso blog e conheça ainda mais estratégias de Marketing de Conteúdo Jurídico!

 

Deixe uma resposta